quinta-feira, 11 de outubro de 2007

sem título


Tudo sufoca.
Tudo, tudo, tudo.
E no fim, só o que realmente permanece é o olhar triste, desolcado no tempo.
.
***
.
"Existe apenas uma solidão, e ela é grande, nada fácil de suportar. Acabam chegando as horas em que quase todos gostariam de trocá-la por uma união qualquer, por mais banal e sem valor que seja, trocá-la pela aparência de uma mínima concordância com o próximo, mesmo que com a pessoa mais insignificante... No entanto, talvez sejam justamete essas as horas em que a solidão cresce, pois o seu crescimento é doloroso como o crescimento de um menino e triste como o início da primavera. Mas isso não deve confundi-lo. O que é necessário é apenas o seguinte: solidão, uma grande solidão interior. Entrar em si mesmo e não encontrar ninguém durante horas, é preciso conseguir isso. Ser solitário como se era quando criança, quando os adultos passavam de lá para cá, envolvidos com coisas que pareciam importantes e grandiosas, porque esses adultos davam a impressão de estarem tão ocupados e porque a criança não entendia nada de seus afazeres."
.
(RILKE, Cartas a um jovem poeta)

6 comentários:

Thallita :) disse...

Poxaaa ameiiseu blog.
tem lindos poemas
parabéns!!!
comçei o meu blog hoje.
:)
si quiser dá uma passadinha nele!
=p

beijim*

Thallita :) disse...

Exelentes poemas!!!

:)

Lex disse...

"Mas ela diz
Que apesar de tudo ela tem sonhos
Mas ela diz
Que um dia a gente há de ser feliz
Ela diz
Que apesar de tudo ela tem sonhos
Ela diz
Que um dia a gente há de ser feliz
Se Deus quiser....."

neto disse...

Com uma carta dessa, tá é lascado esse tal jovem poeta, coitado.

Me diz, o que tem de triste no inicio da primavera?
E o que dói no crescimento de um menino?
E por que achamos que uma criança que é observada sozinha se sente realmente sozinha?

Ai, ai, ai...
quantas dúvidas,
que sufoco!

Fernanda disse...

Neto:

Eu não sou menino, então não sei o que dói no crescimento de um menino. A parte da primavera também pula, vc teria que perguntar isso ao tal Rilke. Agora, sobre a solidão da criança eu concordo. Fui uma criança solitária, com vários amigos, mas ainda assim muito solitária. E isso não tem a ver com o olhar de um adulto sobre a criança, só tem a ver com memória.

Lex disse...

"No entanto, talvez sejam justamete essas as horas em que a solidão cresce, pois o seu crescimento é doloroso como o crescimento de um menino e triste como o início da primavera."

Metendo meu dedo, talvez o que o poeta queira dizer é que não há nada de ruim no crescimento de um menino, nem de triste no início da primavera.

O crescimento da solidão, então, por esse ângulo, é tão ruim quanto essas duas coisas: não é uma coisa ruim.

Estar só não é necessariamente ruim. Talvez seja isso que ele queira dizer...

Mas quem sou eu pra dizer que q o tal do Rilke quis dizer?
Nem conheci o tal sujeito!

Quem teria que dizer isso é ele, e o que ele disse é o que tá ali em cima. Se não basta, aí o problema é dele! rs