sexta-feira, 23 de abril de 2010

Dicionário: Insônia

Taquicardia; Virar-se de um lado para o outro inúmeras vezes seguidas no intervalo de dez minutos; Desacordo entre as partes do corpo que querem dormir e as que querem acordar; Livros revirados, sem que haja ânimo de iniciar a leitura; Conferir a caixa de e-mails cinquenta vezes num horário em que ninguém envia e-mails; Olhar o relógio de meia em meia hora e cada vez mais odiar não ter dormido; Repassar incansavelmente as tarefas do dia seguinte e do dia seguinte ao dia seguinte; Sentir raiva do tempo que passa ou do tempo que não passa; Sentimento de frustração por estar pela metade; Saudades de beijos no meio da noite; Ver o dia nascer e achar graça da oportunidade de noite perdida; Torcer para que fusos horários diferentes causem encontros inesperados no msn; Hiper-sensibilidade a ruídos durante o dia; Passar um dia inteiro zumbi e à noite estar cansada demais para dormir.

2 comentários:

Eduardo Baggio disse...

A descrição tragi-cômica da insônia. A sensação de perda do descanso, e de ganho pela experiência. Insônia machuca e corróe, mas revela partes de nós que escondemos no sono saudável. O beijo no meio da noite. A checagem dos emails. O desconforto confortável, alucinado, orgulhoso. Dói, mas é vital. O dicionário nada descreve, apenas recita.

Daniel disse...

A insônia pode nos fazer refletir sobre tantas coisas. No silêncio da noite pensamos melhor, buscamos todas as respostas possíveis. Nas horas que correm, quando deveriam passar lentamente, a lembrança de mais um dia que se foi, talvez diferente de como deveria ter sido. A grana que não veio, o sol que se escondeu,os infinitos textos não lidos, a pessoa que não apareceu. Mas o sol sempre nasce novamente, pronto para mais um dia, para novas oportunidades, para novos cansaços, mais prazerosos talvez. Para que de tão cansados, possamos dormir, mas dessa vez, felizes.